Artigo de Blogue

Todos os Artigos

Dias 7, 8 & 9: Mike Hoolboom, Jennifer Reeves e Sébastien Lifshitz encerram o Festival

Os últimos dias desta edição do Queer Lisboa 24, trazem-nos as programas Memory, Bodies e Sex que concluem assim o Queer Focus desta edição. O primeiro, que é exibido na quinta-feira, às 18:00 na sala 2 do Cinema São Jorge, apresenta duas curtas-metragens da realizadora experimental Jennifer Reeves, Chronic e Monsters in My Closet, seguidas de um debate com Fernanda Eugénio, Joana Menezes e Sérgio Braz d’Almeida. Bodies, na mesma sala e no mesmo horário mas na sexta-feira dia 25, traz-nos o documentário Un Uomo Deve Essere Forte, de Ilaria Ciavattini e Elsi Perino, onde seguimos o percurso de Jack, um homem transgénero que dá início ao seu processo de transição nos arredores de uma pequena cidade do norte de Itália, uma sociedade hipermasculinizada onde Jack começa também a questionar o que é ser um homem e que tipo de homem quer ele ser. Esta sessão será complementada com uma conversa com o poeta e ativista André Tecedeiro. Como conclusão do Queer Focus teremos, ainda na sexta-feira às 22:30, o programa Sex, que é nesta edição também a Hard Night do festival e exibe o deslumbrante e recém-restaurado Équation à un Inconnu (1980), de Dietrich de Velsa, talvez um dos mais cuidadosamente estilizados filmes pornográficos alguma vez feitos. 
Na Competição de Longas-Metragens atenção à segunda exibição do terno e tocante Neubau, de Johannes Maria Schmit (quinta-feira 24, às 19:00) que contará mais uma vez com a presença de parte da equipa do filme para apresentar a sessão e, no mesmo dia mas às 19:00, a estreia do argentino El Cazador, o novo filme de Marco Berger, estreado na mais recente edição do Festival Internacional de Cinema de Roterdão e que mostra como um adolescente em pleno despertar sexual, se vê preso numa armadilha que o força a escolher entre ver exposta a sua sexualidade ou colaborar com um esquema de pedofilia. Na sexta-feira contamos com três filmes desta competição: a repetição de El Cazador, de Sebastián Muñoz; segunda passagem também de Las Mil y Una, de Clarisa Navas; e por fim No Hard Feelings, de Faraz Shariat, vencedor do prémio Teddy de melhor longa-metragem, onde descobrimos o que acontece a Parvis, jovem alemão de ascendência iraniana, quando conhece os irmãos Banafshe e Amon num centro de refugiados onde foi forçado a fazer trabalho comunitário, e a atração cresce entre Parvis e Amon. Este último tem ainda segunda exibição no sábado, Às 16:00.
Quinta e sexta-feira, sempre às 18:30, são também os dias reservados para as sessões da Competição In My Shorts de filmes de escolas europeias de cinema e arte. Destaque para a variedade geográfica e também de géneros, do documentário à animação, passando pela ficção e obras mais experimentais, sempre no formato de curta-metragem. Na primeira sessão contaremos com a presença do realizador Olivier Cheval que virá apresentar a sua curta-metragem Rose Minitel, produzida pela prestigiada escola francesa Le Fresnoy. Os dois programas incluem ainda filmes vindos do Centro Sperimentale di Cinematografia, em Roma, da HEAD em Genebra, da FAMU, em Praga, da berlinense DFFB, e do Doc Nomads. Deste último mostraremos a co-produçao portuguesa An Act of Afection, de Viet Vu, vencedor ex aequo do prémio de Melhor Curta-Metragem no Queer Lisboa 23.
O final do festival reserva ainda três obras poderosas na Competição Queer Art. Na quinta-feira, às 21:30, o regresso à programação do festival do já bem conhecido Mike Hoolboom com Judy versus Capitalism, em que o realizador recorre ao super8 para falar do feminismo desde os anos 70, e ao mesmo tempo fazer um comovente retrato sobre saúde mental. Na sexta-feira tempo para Santos, de Alejo Fraile, que nos mostra uma família submersa no silêncio, vivendo os seus dias de declínio e El Viaje de Monalisa, onde a realizadora Nicole Costa, vai ao encontro de Iván Ojeda, um promissor ator chileno que, em 1995 após uma residência artística em Nova Iorque, decide ficar ilegalmente no país para se reinventar como Monalisa e ganhar a vida como trabalhadora do sexo. A realizadora Nicole Costa estará presente nesta sessão, e também no dia seguinte na segunda exibição, para apresentar o seu filme.
Finalmente os dois últimos filmes a exibir na Competição de Documentários são Miserere, de Francisco Ríos Flores (quinta-feira 24, às 18:30) onde somos envolvidos pelo calor sufocante de Buenos Aires e, na praça que dá o nome ao filme, observamos um grupo de rapazes trabalhadores do sexo e All We’ve Got, de Alexis Clements (sábado 26, às 18:30) que olha para a enorme quantidade de locais onde as mulheres queer encontravam um sentido de pertença e um espaço físico de encontro nos Estados Unidos da América e que, a partir de 2010, foram encerrando

Os últimos dias desta edição do Queer Lisboa 24, trazem-nos as programas Memory, Bodies e Sex que concluem assim o Queer Focus desta edição. O primeiro, a exibir na quinta-feira, às 18:00 na sala 2 do Cinema São Jorge, apresenta duas curtas-metragens da realizadora experimental Jennifer Reeves, Chronic e Monsters in the Closet, seguidas de um debate com Fernanda Eugénio, Joana Menezes e Sérgio Braz d’Almeida. Bodies, na mesma sala e no mesmo horário mas na sexta-feira dia 25, traz-nos o documentário Un Uomo Deve Essere Forte, de Ilaria Ciavattini e Elsi Perino, onde seguimos o percurso de Jack, um homem transgénero que dá início ao seu processo de transição nos arredores de uma pequena cidade do norte de Itália, uma sociedade hipermasculinizada onde Jack começa também a questionar o que é ser um homem e que tipo de homem quer ele ser. Esta sessão será complementada com uma conversa com o poeta e ativista André Tecedeiro. Como conclusão do Queer Focus teremos, ainda na sexta-feira às 22:30, o programa Sex, que é nesta edição também a Hard Night do festival e exibe o deslumbrante e recém-restaurado Équation à un Inconnu (1980), de Dietrich de Velsa, talvez um dos mais cuidadosamente estilizados filmes pornográficos alguma vez feitos. 

Na Competição de Longas-Metragens atenção à segunda exibição do terno e tocante Neubau, de Johannes Maria Schmit (quinta-feira 24, às 19:00) que contará mais uma vez com a presença de parte da equipa do filme para apresentar a sessão e, no mesmo dia mas às 19:00, a estreia do argentino El Cazador, o novo filme de Marco Berger, estreado na mais recente edição do Festival Internacional de Cinema de Roterdão e que mostra como um adolescente em pleno despertar sexual, se vê preso numa armadilha que o força a escolher entre ver exposta a sua sexualidade ou colaborar com um esquema de pedofilia. O filme tem segunda exibição na sexta-feira às 19:00.  No mesmo dia contamos com mais dois filmes desta competição: a segunda passagem de Las Mil y Una, de Clarisa Navas; e por fim No Hard Feelings, de Faraz Shariat, vencedor do prémio Teddy de Melhor Longa-metragem 2020, onde descobrimos o que acontece a Parvis, jovem alemão de ascendência iraniana, quando conhece os irmãos Banafshe e Amon num centro de refugiados onde foi forçado a fazer trabalho comunitário, e a atração cresce entre Parvis e Amon. Este último tem ainda segunda exibição no sábado, às 16:00.

Quinta e sexta-feira, sempre às 18:30, são também os dias reservados para as sessões da Competição In My Shorts de filmes de escolas europeias de cinema e arte. Destaque para a variedade geográfica e também de géneros, do documentário à animação, passando pela ficção e obras mais experimentais, sempre no formato de curta-metragem. Na primeira sessão contaremos com a presença do realizador Olivier Cheval que virá apresentar a sua curta-metragem Rose Minitel, produzida pela prestigiada escola francesa Le Fresnoy. Os dois programas incluem ainda filmes vindos do Centro Sperimentale di Cinematografia, em Roma, da HEAD em Genebra, da FAMU, em Praga, da berlinense DFFB, e do Doc Nomads. Deste último mostraremos a co-produção portuguesa An Act of Afection, de Viet Vu, vencedor de uma Menção Especial na Competição de Curtas-Metragens no Queer Lisboa 23.

O final do festival reserva ainda três obras poderosas na Competição Queer Art. Na quinta-feira, às 21:30, o regresso à programação do festival do já bem conhecido Mike Hoolboom com Judy versus Capitalism, em que o realizador recorre ao super8 para falar do feminismo desde os anos 70, e ao mesmo tempo fazer um comovente retrato sobre saúde mental. Na sexta-feira tempo para Santos, de Alejo Fraile, que nos mostra uma família submersa no silêncio, vivendo os seus dias de declínio, e El Viaje de Monalisa, onde a realizadora Nicole Costa, vai ao encontro de Iván Ojeda, um promissor ator chileno que, em 1995, após uma residência artística em Nova Iorque, decide ficar ilegalmente no país para se reinventar como Monalisa e ganhar a vida como trabalhadora do sexo. A realizadora Nicole Costa estará presente nesta sessão, e também no dia seguinte na segunda exibição, para apresentar o seu filme.

Os dois últimos filmes a exibir na Competição de Documentários são Miserere, de Francisco Ríos Flores (quinta-feira 24, às 18:30) onde somos envolvidos pelo calor sufocante de Buenos Aires e, na praça que dá o nome ao filme, observamos um grupo de rapazes trabalhadores do sexo, e All We’ve Got, de Alexis Clements (sábado 26, às 18:30) que olha para a enorme quantidade de locais onde as mulheres queer encontravam um sentido de pertença e um espaço físico de encontro nos Estados Unidos da América e que, a partir de 2010, foram encerrando.

E finalmente, no sábado 26 de setembro, às 21:00, encerramos o Queer Lisboa 24 com Petite Fille, de Sébastien Lifshitz. Estreado na 70.ª edição da Berlinale, em 2020, festival onde Lifshitz fora já anteriormente vencedor de dois Prémios Teddy, o documentário acompanha a petite fille do título, Sasha, e a sua incansável família, irredutível na luta pela afirmação da identidade de género da filha e a sua aceitação nas várias dimensões da esfera social e, sobretudo, no meio escolar. Confrontados com um constante ambiente hostil, cabe aos pais de Sasha lutar pela sua liberdade, enquanto a menina vive confortável na sua pele, por vezes sem mesmo entender os motivos pelos quais é tão complicado deixarem-na apenas ser quem é.