Artigo de Blogue

Todos os Artigos

Programação completa do Queer Lisboa 21

Em 2017, o Queer Lisboa entra na sua terceira década de existência com a exibição de 90 filmes de 32 países. Além da retrospetiva dedicada à artista multimédia Shu Lea Cheang, a ter lugar no Cinema São Jorge e no MNAC – Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado, e da muito aguardada estreia do filme God’s Own Country, do britânico Francis Lee, na Noite de Abertura, o Queer Lisboa 21 vai acolher muitas mais surpresas e convidados internacionais.

Depois de, em 2016, termos celebrado uma data redonda de aniversário, o número recorde de filmes que os nossos programadores visionaram este ano, permitiram-nos construir um programa que parece todo ele traçar linhas narrativas, estéticas, formais e, até mesmo, ideológicas, que permitem antever direções do cinema queer para as quais estaremos certamente atentos nos próximos anos.

Dos 32 países presentes, os EUA são o mais representado, com 21 filmes. A Alemanha e a França estão representados, em ex-aequo, com 12 filmes cada, seguindo-se o Brasil, com 10 filmes.

As competições do Queer Lisboa 21 são compostas não só pelas narrativas e temas “clássicos” do cinema queer, mas também por filmes que falam de religião, migrações, racismo, fronteiras, deficiência, política, ao mesmo tempo em que arriscam transdisciplinaridades, rompem cânones do cinema de género, abraçam novas linguagens audiovisuais e novos modelos de relação do espectador com essas linguagens. De volta estão, assim, as Competições de Longas-Metragens, Documentários, Curtas-Metragens, In My Shorts e Queer Art.

A secção Panorama ganha este ano um novo fôlego com a exibição de oito filmes: quatro ficções e quatro documentários. Destaque para 1:54, do canadiano Yan England, que estará em Lisboa, numa colaboração com a Embaixada do Canadá em Portugal. O filme é protagonizado por Antoine-Olivier Pilon (o protagonista de Mommy, de Xavier Dolan). Quand On A 17 Ans, de André Téchiné, um dos mais aclamados realizadores do cinema pós-Nouvelle Vague, terá a sua antestreia nacional no Queer Lisboa.

Já a secção Hard Nights terá em destaque Colby Keller, um dos mais populares atores porno da atualidade, bem como filmes recentes de Koichi Imaizumi, Sky Deep, Marit Östberg e Francy Fabritz.

A música volta com a secção Queer Pop, com um programa centrado na obra de George Michael e outro focado nos novos valores da música queer do Brasil.

O Queer Lisboa 21 terminará com a exibição do muito aplaudido Mãe Só Há Uma, de Anna Muylaert, premiado na Berlinale em 2016.

Durante o festival vão ainda realizar-se várias festas. A Festa de Abertura terá lugar no clube Fontória e contará com a música do trio Asneira (António Almada Guerra, João Villas-Boas e Tiago Pinhal Costa). No dia 21, o Queer Lisboa associa-se ao coletivo Groove Ball para uma festa no Rive-Rouge, enquanto um dia depois a festa será feita no clube Construction, onde estará presente Colby Keller. A Festa de Encerramento realiza-se no Titanic Sur Mer e nela vão passar música Sky Deep e Simºne.

A programação completa do Queer Lisboa 20 pode ser consultada aqui e o calendário de sessões aqui.