Evento

Todos os Eventos

Master Class: Shu Lea Cheang – YOU ARE. THEY IS. NEO ULTRA PUNK.

(in memory of Patri as Pony Boy)

Master Class: Shu Lea Cheang
YOU ARE. THEY IS. NEO ULTRA PUNK.

Uma conversa no Queer Lisboa em colaboração com o Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado.
* Entrada Livre

 

"Uma trajetória repleta de desvios desde Brandon (1998-1999) leva-me até Wonders Wander (2017) recentemente lançado no Madrid Pride 2017. Brandon, uma narrativa web de um ano, teletransporta Brandon Teena, um homem transgénero que foi violado e assassinado por não conseguir “passar” por homem cisgénero, ao longo da autoestrada interestadual 80 do Nebraska (EUA) para a esfera virtual. Wonders Wander, uma minissérie web baseada em localização dividida em 4 episódios, faz um mapeamento dos locais de crimes trans-homo-fóbicos fora do centro de Madrid e relata histórias de uma nova geração queer empoderada.

Nas minhas obras de arte e de cinema, uma fusão de géneros, de media e de meios, leva-me a apropriar-me de narrativas de ficção científica, de forma a reimaginar o corpo tecnológico não-binário. FluidØ (2017) passa-se no futuro pós-SIDA de 2060, no qual o vírus da SIDA em mutação dá à luz ao ZERO GEN, cujo fluido branco ejaculado é o hipernarcótico do século XXI. Em UKI (2009-), uma sequela de I.K.U. (2000), as tentativas falhadas de ressuscitar o corpo extinto dos cyborgs propagam uma nova forma do vírus UKI, infectado para mobilizar a resistência viral. RISE UP, NEO ULTRA PUNK. You are. They is." (Shu Lea Cheang)

Trabalhos em análise:

BRANDON (1998-1999), http://brandon.guggenheim.org
WONDERS WANDER (2017), http://wonderswander.es
FLUIDØ (2017), http://fluidthemovie.com
UKI (2009- ), http://u-k-i.co

BIOGRAFIA

A realizadora taiwanesa-americana Shu Lea Cheang é conhecida pelo filme de culto I.K.U., onde ciborgues sensuais têm sexo em troca de informação e prazer. Pioneira no campo da media art, abraçou cedo a cultura da internet e do hacking, reconhecendo a sua capacidade de escravizar, mas também a sua força libertária, misturando isso com um imaginário sexualmente explícito e queer.