Filme

Charme Indiscreto de Epifânea Sacadura

Charme Indiscreto de Epifânea Sacadura

Sinopse

Esta primeira curta-metragem de Óscar Alves experimenta a lógica de estrutura narrativa em flashbacks e a temática que viriam a ser desenvolvidas no seu posterior Aventuras e Desventuras de Julieta Pipi, este último já com mais avançados meios.

Filmado sem som e sem qualquer trilha sonora, recorrendo apenas aos intertítulos, para nos dar a conhecer os diálogos essenciais, o filme exige um ritmo e expressividade maiores aos seus intervenientes, sendo que para tal, Alves recria uma estética expressionista do cinema mudo.

O filme situa-nos desde logo no tempo e espaço da acção: estamos em 1930 no Chalé das Águas Correntes. Epifânea Sacadura (Fefa Putollini), actriz, cumprimenta-nos com um “Hello, Boys!”, estendida na sua chaise longue em pose dengosa, aproveitando mesmo em certos momentos para se acariciar. Epifânea está claramente a querer seduzir os rapazes. A actriz fala-nos da sua carreira. Conta-nos a história da rodagem de um filme, onde vemos a sua personagem a receber um cavalheiro em casa, que se revela ser um vampiro. 

Nota: Dado o estado deteriorado do original deste filme, o mesmo não está disponível para exibição pública, apenas para fins de investigação.