Queer Lisboa e Queer Porto

O Queer Lisboa é o único festival de cinema nacional com o propósito específico de exibir filmes de temática gay, lésbica, bissexual, transgénero, transsexual, intersexo e de outras sexualidades e identidades não-normativas, num género cunhado internacionalmente como  “Cinema Queer”.

Este é um cinema com crescente expressão nos grandes festivais de cinema internacionais e é nosso objetivo programar o que de mais relevante, em termos estéticos e narrativos, se faz no panorama mundial, visando colmatar o facto de este cinema ser de acesso ainda limitado ao grande público. O Cinema Queer atravessa toda a história do cinema e dos seus géneros, apesar de corresponder a um rótulo recente: é o início da década de 1990 que vê surgir uma nova linguagem cinematográfica que aponta para novas negociações das subjetividades ligadas às identidades sexuais e de género, muito por consequência direta dos efeitos da epidemia do VIH/sida e do seu impacto na criação artística.

Em 2015, a equipa do Queer Lisboa viu finalmente cumprido um projeto há muito desejado: a organização do Queer Porto. Após uma edição “zero” em outubro de 2014, o projeto de um festival queer na cidade começou a tomar forma. Em outubro de 2015, a Associação Cultural Janela Indiscreta organizou o Queer Porto que, com sede no Teatro Rivoli, foi ao longo dos anos ocupando vários outros espaços da cidade do Porto. A ter lugar duas a três semanas depois do encerramento do Queer Lisboa, o Queer Porto não se trata de uma extensão dos filmes programados no Festival em Lisboa. Pretende chegar aos vários públicos e às diferentes expressões do tecido cultural do Porto, pondo em diálogo o cinema com outras artes. No que acreditamos ser uma aposta forte e que vai ao encontro das expetativas do público da cidade, o Festival tem uma identidade própria, multidisciplinar, onde a par da apresentação de títulos inéditos em Portugal, organizamos atividades educativas e de caráter mais lúdico, procurando desta forma a divulgação e captação de público para o evento.

O Queer Lisboa e o mais recente Queer Porto, prosseguem a sua aposta na apresentação em Portugal deste cinema e na vinda ao país de um conjunto de individualidades a ele ligadas, bem como ao encorajamento do pensamento teórico à volta das suas temáticas e conceitos; e à programação, incentivo e divulgação de filmes portugueses com esta temática. Os filmes programados são organizados nas Competições para a Melhor Longa-Metragem, Documentário, Curta-Metragem, Curta-Metragem de Escola Europeia e Queer Art, em Lisboa; e Competições de Melhor Longa-Metragem de Ficção ou Documental, Curta-Metragem de Escola Portuguesa, e Prémio Casa Comum, no Porto. Paralelamente, organizamos secções fora de competição, sessões especiais e ciclos temáticos dedicados a um realizador, tema ou país, retrospetivas sobre representações queer na história do cinema, secções dedicadas a subgéneros do Cinema Queer, bem como atividades paralelas como exposições e performances, ou debates e conferências de carácter mais pedagógico e académico. Assumimos também o projeto de divulgação do cinema nacional, do qual regularmente apresentamos retrospetivas e organizamos programas em festivais internacionais.

Criado em 1997, e contemporâneo dos seus festivais congéneres de Madrid e de Paris, o Queer Lisboa prepara-se para celebrar a sua 25.ª edição em 2021, como o mais antigo festival de cinema da cidade de Lisboa. Ao longo dos seus quase 25 anos, o Festival consolidou a sua reputação a nível internacional, sendo neste momento um dos festivais do género mais reconhecidos a nível europeu e mundial, pela qualidade da sua programação e atividades, bem como pelos convidados que a ele atrai.

O Queer Lisboa, aproveitando as sinergias criadas por quase 25 anos de atividade contínua, tem estabelecido relações privilegiadas com alguns dos principais festivais congéneres europeus e mundiais, com os quais participa regularmente em atividades de permuta de programação, criação de redes de intercâmbio cultural e formativo, e aos quais os seus programadores e equipa se deslocam regularmente. Estas redes revelam-se também fundamentais para a divulgação do cinema português além-fronteiras.

Tendo desde sempre procurado abraçar uma abordagem mais alargada do conceito de “queer”, a política de programação do Queer Lisboa e do Queer Porto, mais do que procurar as temáticas queer nas narrativas cinematográficas, procura sobretudo entender o que é a construção de uma estética queer e apresentar obras que sugerem um olhar queer sobre o mundo. Entendemos o conceito de “queer” como um espaço de interseção com problemáticas e realidades como as do racismo, xenofobia, migrações, exclusão social, saúde física e mental, pobreza, cruzando estas com o pensamento teórico e movimentos ligados ao pós-colonialismo, anticapitalismo, ecologia, pós-pornografia, entre outros, que nos ajudam a compreender a realidade dos indivíduos e comunidades queer numa rede mais complexa.    

O Queer Lisboa e Queer Porto são procurados anualmente por um número crescente de produtores, distribuidores e realizadores independentes que reconhecem o prestígio do Festival e pretendem aqui exibir os seus filmes como plataforma de entrada no circuito dos festivais internacionais ou mesmo no mercado de distribuição nacional. O Festival é procurado ainda por um crescente número de espectadores, interessados numa programação inédita e eclética, e sempre complementada por um conjunto de atividades paralelas, textos teóricos de suporte às exibições, edição de livros, pela presença de convidados internacionais, para além de todo o ambiente criado nos dias do evento. Entendemos um festival de cinema como uma experiência comunitária e presencial, um espaço de encontro e confronto de ideias, cada vez mais relevante num mundo mergulhado na experiência virtual em solitário.

Este site utiliza cookies da Google para disponibilizar os respetivos serviços e para analisar o tráfego. O seu endereço IP e agente do utilizador são partilhados com a Google, bem como o desempenho e a métrica de segurança, para assegurar a qualidade do serviço, gerar as estatísticas de utilização e detetar e resolver abusos de endereço.